Quando vieres – sabemos que hás-de vir –
Lembra que te buscámos entre as dunas,
Que subimos montanhas, que chorámos
Toda a vez que espreitando não te vimos.

Recorda que te demos todo o tempo,
A alegria e a dor de cada passo;
Que se quebrámos foi por pequenez
Da alma que nos deste e por cansaço.

Lembra-te bem de como é forte o vento,
De como corta o frio no Inverno.
Já não podemos mais. Não há tamanho
Em nós para ir até ao fim do tempo.

E vamos deixar isto antes da hora,
Encerrar este livro antes do fim.
Perdoa que sejamos o que somos:
Sabias que seríamos assim…

O tempo que nos deste foi de mais.
Recorda que dissemos o teu nome
Nas ruas, nos jardins, nos tribunais,
Quando o nome era usado contra nós.

Quando vieres, traz fogo numa mão.
Fará decerto falta. E se achares bem
Deixa na outra espaço para o carinho:
Foi a ti que chamámos nossa mãe.

Recorda
Voltar ao topo